Categoria: Agro & Economia

Redacao19 de novembro de 2019
6645654_x720.jpg

4min00

Levantamento feito pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) mostra que o confinamento de gado de corte em Mato Grosso somou mais de 824 mil cabeças. O número é 19,23% maior que o primeiro cenário observado em abril e 10,81% superior ao registrado em outubro de 2018. Do total de pecuaristas entrevistados, 71% optou pelo confinamento.

O presidente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Marco Túlio Duarte Soares falou do protagonismo da região sudeste, que se destacou em relação a quantidade de cabeças confinadas quando comparada com o ano anterior. “Os números mostram aumento no confinamento em 33%, comparando com o ano anterior”. Quase 205 mil animais foram confinados. O número representa quase 25% do total registrado no estado.

Em segundo lugar, a região oeste: 23,91% do total de animais confinados em Mato Grosso estavam em municípios da região. ”Isso significa 197 mil cabeças, número 34,91% maior que o ano anterior”, observa o diretor técnico da Acrimat, Francisco Manzi.

O estudo do Imea mostra que a participação da região noroeste, de apenas 3,9%, provavelmente se deve ao fato da região ter se destacado na participação de 20% do total de animais enviados para outros estados: quase 60 mil cabeças, principalmente para Rondônia (68,14%).

O gerente de Relações Institucionais da Acrimat, Nilton Mesquita, explica que a região apresentou aumento no abate de animais jovens. “Em nove meses foram abatidos 50 mil animais desta categoria, o que representou 15% do total abatido por MT, valor 14% acima do que foi observado no mesmo período de 2018”.

Estrutura estadual
A utilização da estrutura estadual também aumentou quando comparado ao ano passado. A média de utilização da capacidade instalada nas unidades confinadoras do estado está em 92,85%, valor 13% maior que o registrado em 2018.

Em relação a capacidade estática houve queda em relação a 2018: 4,83%, ou 887.720 cabeças. O aumento no uso de estrutura de terceiros (boitel, parcerias, etc) está diretamente ligado a este fenômeno. No levantamento feito em outubro passado, o valor registrado foi de 32,95%m frente aos 67% de uso de infraestrutura própria.

Já as entregas foram mais intensas no segundo semestre do ano, o que já era esperado, visto que a arroba tende a ser mais valorizada neste período, como demonstra os preços futuros.

Cenário promissor
“As exportações estão em ritmo acelerado, principalmente após as habilitações das plantas frigoríficas para envios à China: foram enviadas 46 mil toneladas em equivalente carcaça em outubro, valor 20% superior em relação à 2018 e o maior da série histórica, que iniciou em 1996. Somente a China adquiriu 28,58% deste volume; resumindo: o aumento de animais confinados e a utilização da capacidade estática demonstram o maior uso deste sistema de engorda e tecnificação dos produtores neste ano”, conclui Nilton Mesquita.


Redacao18 de novembro de 2019
peixe-xxx.jpg

3min00

De acordo com a Associação Brasileira de Piscicultura (Peixe BR), Mato Grosso é o quarto estado que mais produz peixes no país, com mais de 54 mil toneladas por ano. Diante da produção, os piscicultores estão investindo na reutilização da pele do peixe e aumentando os lucros.

Pintado e tambaqui, são duas das espécies criadas em um Centro de Piscicultura em Sorriso, a 420 km de Cuiabá. São 400 mil peixes espalhados em 130 viveiros. Cerca de 95% da produção são vendidos para outros estados, como São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás, Pará e Maranhão.

Em um frigorífico localizado no Distrito de Primaverinha, ainda no município de Sorriso, o abate chega a 10 toneladas de pescado por dia, nesta época do ano.

Em um frigorífico localizado no Distrito de Primaverinha, ainda no município de Sorriso, o abate chega a 10 toneladas de pescado por dia, nesta época do ano.

De acordo com o pesquisador da Embrapa, Manuel Jacintho, a proposta é agregar valor e, se essa agregação for interessante para a indústria, vale a pena piscicultores e frigoríficos fazerem o investimento.

O engenheiro de pesca Luciano Hinnah acredita que o investimento é válido. “Tendo uma indústria que utilize esse subproduto, um couro, uma farinha de víceras, algo desse tipo, até economizaria no frete”, comentou.


Redacao18 de novembro de 2019
AGRO-CAMPO-MÁQUINAS.jpeg

2min00

O Brasil está no caminho para ser o maior produtor de soja do mundo. A produção do país deve chegar a 120 milhões de toneladas na safra 2019/2020. Se confirmado, o resultado vai ser 25% maior que a colheita dos Estados Unidos, principal concorrente do país neste mercado.

E com a demanda mundial de soja aquecida, agricultores de Mato Grosso, principal estado produtor do grão, já estão vendendo boa parte do que vão colher para aproveitar os bons preços oferecidos.

A falta de regularidade das chuvas trouxe prejuízos em muitas áreas produtoras do estado. Agora, para cobrir os custos de produção, o sojicultor está antecipando as vendas para fazer caixa.

O plantio está um pouco atrasado nas fazendas brasileiras e os agricultores aguardam a chegada da chuva para acelerar o trabalho. No oeste da Bahia, a área cultivada deve apresentar um leve crescimento.

Até agora foram plantados apenas 10% por cento da área destinada para soja nessa safra no estado, que tem um total de 1,6 milhão hectares.

O analista de mercado Vanderlei Angonese explica que o volume de negociações antecipadas está maior que no mesmo período do ano passado.

“A porcentagem já comercializada da safra 19/20, nós estamos trabalhando em torno de 45 a 47% já de mercado já efetivado em função do preço, que está na casa de R$ 70 aqui para nossa região”, afirma.

Fonte: G1


Jota Jota Nascimento5 de outubro de 2019
economia-impostometro.jpg

3min670

De acordo com o Impostômetro da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso (Fecomércio-MT), de janeiro até 04 de outubro deste ano, às 15h, os contribuintes mato-grossenses já pagaram R$ 1.513 bi a mais em impostos federais, estaduais e municipais no Estado, em relação ao montante recolhido no mesmo período de 2018.

A ferramenta, que representa o total de multas, taxas, contribuições e impostos pagos desde o primeiro dia do ano, aponta que em valores esse montante chegou a R$ 25.212 bilhões, um crescimento de 6,4% em relação ao contabilizado no mesmo intervalo do ano passado (quando foram pagos R$ 23,698 bilhões).

Cuiabá

Somente em Cuiabá, o total de impostos pagos pelo contribuinte alcançou a cifra de R$ 589.840 milhões, avanço de R$ 8,9% em relação a 2018. Entre 1º de janeiro e 04 de outubro do  ano passado, o total de impostos pagos em Cuiabá foi de R$ 541.629 milhões.

Brasil

Neste ano, os cidadãos brasileiros já pagaram o montante é de R$ 1.861.122 trilhão, no mesmo período no ano passado o valor foi de R$ 1.766.804, o que representa um crescimento de 5,33%.

O levantamento utilizado das arrecadações federais é da Receita Federal do Brasil, Secretaria do Tesouro Nacional, Caixa Econômica Federal, Tribunal de Contas da União, e IBGE. As receitas dos estados e do Distrito Federal são apuradas com base nos dados do CONFAZ – Conselho Nacional de Política Fazendária, das Secretarias Estaduais de Fazenda, Tribunais de Contas dos Estados e Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda. As arrecadações municipais são obtidas através dos dados da Secretaria do Tesouro Nacional, dos municípios que divulgam seus números em atenção à Lei de Responsabilidade Fiscal, dos Tribunais de Contas dos Estados.

Da Redação
Fotos: Reprodução


Jota Jota Nascimento5 de outubro de 2019
politica-congresso-e1570274496287.jpg

2min580

Após encerrar a apreciação dos destaques, o Senado Federal concluiu na última quarta-feira (2) o primeiro turno de votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/2109, da Nova Previdência. O texto-base foi aprovado na noite de terça-feira (1º), com 56 votos favoráveis e 19 contrários.

“Mais uma importante etapa concluída com a aprovação da Nova Previdência em primeiro turno no Senado. O impacto fiscal é essencial para o equilíbrio do país e retomada do ciclo positivo de nosso crescimento”, disse o secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho.

Marinho destacou que a Nova Previdência é essencial para restabelecer a normalidade e a capacidade fiscal, que o governo perdeu ao longo dos tempos.

“O que se pretende é proporcionar ao Brasil a retomada à sua atividade precípua, reclamada pelo conjunto da sociedade, os investimentos em educação, saúde, infraestrutura, segurança, enfim, em ações para o qual o este governo foi eleito”, reiterou Rogério Marinho.

Um único destaque foi aprovado, retirando as mudanças no Abono Salarial e diminuindo o impacto previsto em cerca de R$ 76 bilhões. A proposta segue agora para a votação em segundo turno pelos senadores. Depois disso, uma vez aprovado pelo Senado, o texto será promulgado como uma emenda à Constituição Federal.

Da Redação
Fotos: Edu Andrade


Jota Jota Nascimento3 de outubro de 2019
economia-millenium-bioenergia-e1570127768536.jpg

3min1140

Com objetivo de viabilizar a licença ambiental para dar início às obras de instalação da indústria de etanol Millenium Bioenergia, em Jaciara, o deputado estadual Carlos Avallone (PSDB) articulou para o prefeito do município, Abdo Galvin, uma reunião com o governador Mauro Mendes, na última quarta-feira (2), no Palácio Paiaguás. O encontro também contou com a presença do secretário estadual de Indústria e Comércio (Sedec), César Miranda, e representantes da usina, além de outras autoridades.

Avallone avaliou a reunião como produtiva e destacou que, seguindo os trâmites legais, o governo do estado deve conceder a licença até o fim deste ano.

“Vai ser um presente de Natal para Jaciara e região. Depois de instalada, a indústria vai ajudar a fortalecer a economia do município e gerar centenas de empregos”, explicou.

Na reunião, o deputado ainda elogiou a agilidade do prefeito Abdo, que deu todas as condições logísticas para que o empreendedor se instalasse no município, além da atuação da empresa que cumpriu todas as exigências técnicas e legais.

Avallone lembrou que o projeto de instalação da empresa em Mato Grosso começou quando ele ainda estava à frente da Sedec, em 2018. Em seguida, revelou que a empresa tem interesse em instalar outras unidades no estado.

“É importante lembrar o trabalho do Leopoldo Mendonça, que na época era meu adjunto na Sedec e acabou assumindo a pasta, além de outras forças políticas de Jaciara, como os vereadores que ajudaram neste projeto”, comentou.

Já o prefeito Abdo agradeceu a Avallone pela ajuda no projeto e ao governador Mauro Mendes.

“Ficamos a manhã toda debatendo essa pauta muito importante para Jaciara. Estamos bem otimistas que a licença seja dada o mais rápido possível para a empresa começar sua instalação”, finalizou.

Da Redação
Fotos: João Ribeiro/Reprodução

 


Jota Jota Nascimento25 de setembro de 2019
agro-e-economia-empaer-e1569453807733.jpg

4min5910

Uma comitiva formada por técnicos da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e a equipe de assessores do deputado estadual João Batista (Pros), além do presidente da Associação dos Filhos e Amigos de Barão de Melgaço, Arnaldo Gonçalves, estiveram nesta última terça-feira (24), no distrito de São Pedro de Joselândia, pertencente ao município de Barão de Melgaço.

A presença da equipe técnica, no referido distrito, reativa as ações técnicas da Empaer na região pantaneira. A ação é uma resposta à audiência pública requerida pelo deputado João Batista e provocada pelo presidente da associação, Arnaldo Gonçalves.

“Um dia após a audiência pública promovida pelo deputado João Batista, em Barão do Melgaço, procurei a sua equipe, e juntos estivemos reunidos com o ‘Alemão’ (Renaldo Loffi, presidente da Empaer), que nos garantiu a reativação dos trabalhos técnicos em nossa cidade”, explicou Arnaldo.

No distrito de São Pedro de Joselândia, o coordenador regional da baixada cuiabana, Vico Capistrano Alencar, parabenizou a iniciativa do deputado João Batista, assim como todos os outros envolvidos, comprometendo-se com os produtores, em realizar por pelo menos uma vez ao mês, uma visita no distrito.

“A Empaer sozinha não teria as condições necessárias para atender regiões como esta, por isso parabenizo a iniciativa do deputado João Batista, toda a sua equipe, e também o Arnaldo Gonçalves, que teve a iniciativa e buscou fazer a diferença. Não iremos parar por aqui, garanto que todos os meses estaremos aqui por pelo menos dois dias, este é um compromisso que firmo com todos os senhores”, disse o coordenador ao se direcionar para um grupo de pequenos produtores da região.

Com o encerramento das atividades na tarde desta quarta-feira (25), a equipe técnica da Empaer finalizou os atendimentos com um total de 40 procedimentos, dentre projetos de fomento rural, por meio do Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), contratos de arrendamento, legalização de propriedades e projetos agropecuários (corte e leite). De acordo com o assessor regional da Empaer, Isaias Oliveira, a próxima etapa que irá beneficiar a população melgacenses, será a abertura do polo regional da Empaer, prevista para a próxima terça-feira, 1° de outubro, no Sindicato dos Trabalhadores Rurais da cidade.

“A receptividade dos produtores rurais de São Pedro de Joselândia, é a prova de que a presença da Empaer se faz necessária nessa região. Com a inauguração do polo regional em Barão, iremos intensificar estes atendimentos”, completou Isaias.

Da Assessoria


Jota Jota Nascimento22 de setembro de 2019
dia-a-dia-Mutirão-fiscal-Várzea-Grande-e1569206798316.jpg

4min1990
Os cidadãos de Várzea Grande que possuem débitos com a prefeitura estão tendo a oportunidade de negociar dívidas pendentes no Mutirão Fiscal até o dia 18 de outubro. A expectativa do município é negociar até R$ 127 milhões no período.

Débitos com o IPTU (Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana), ISS (Imposto sobre Serviços) e alvarás são os mais comuns dentre os quais a prefeitura espera negociar no mutirão, de acordo com a secretária de Gestão Fazendária de Várzea Grande, Lucinéia dos Santos Ribeiro.

“Nós esperamos uma arrecadação eficiente, fazendo com que as pessoas nos procurem para quitar esses débitos porque as vantagens são atrativas. Depois do mutirão, as dívidas serão encaminhado para ser judicializada e também protestada, então agora é o momento e a oportunidade de negociar”, ressaltou a secretária.
São oferecidos aos contribuintes descontos de 95% nos juros e multa para pagamentos à vista e 40% de desconto no parcelamento, que pode ser feito em até 36 vezes.
Nos primeiros três dias do mutirão, mais de 700 pessoas negociaram suas dívidas, resultando em mais de R$ 900 mil em acordos. Uma delas é a dona de casa Ketsmara Guimarães, que estava com o IPTU de 2018 atrasado, e conseguiu renegociar a dívida de R$ 2 mil pagando R$ 1.300,00. “Com esse desconto ficou muito bom para negociar, sobra um dinheirinho e nós ficamos contentes”.
De acordo com a prefeitura, cerca de 50% dos débitos esperados para negociação no mutirão já estão judicializados, isto é, viraram processos judiciais de executivos fiscais. Aproximadamente 1.000 processos dessa natureza estão sob jurisdição do juiz Alexandre Elias Filho, da 3ª Vara Especializada de Fazenda Pública de Várzea Grande.
“O Poder Judiciário sempre esteve à disposição do poder público para auxiliar no que for necessário para obter a paz social entre o munícipe e a própria administração pública. O mutirão fiscal que está se realizado foi uma grande iniciativa da municipalidade para oportunizar aos contribuintes a resolução de suas pendências de impostos, para fazer um acordo com vantagens e parcelamentos. A Justiça está apoiando essa iniciativa, até para evitar um grande volume de processos novos”, elencou o magistrado.
Os atendimentos do mutirão são realizados no Paço Municipal Couto Magalhães, na Secretaria de Gestão Fazendária, na Central do ISS e na Procuradoria-Geral do Município, além da subprefeitura localizada no bairro Cristo Rei.
Direto Da Redação/com Assessoria
Fotos: MP

Jota Jota Nascimento4 de setembro de 2019
economia-sede_petrobras3-e1567603917901.jpg

7min3040

Com o objetivo de estimular o desenvolvimento de soluções tecnológicas que atendam às necessidades de negócios de petróleo, gás e energia, a Petrobras lança hoje (4) edital com chamada de projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P,D&I) voltada para startups e pequenas empresas inovadoras. O edital prevê o financiamento de até 10 projetos, em seis diferentes áreas, com valores que vão de R$ 500 mil a R$ 1,5 milhão, totalizando R$ 10 milhões nessa etapa.

O edital funciona por meio de “desafios” propostos pela Petrobras para a criação de produtos, veículos ou softwares, em áreas como robótica, inteligência artificial, armazenamento de energia, captação e utilização de CO², entre outros. As inscrições podem ser feitas até 22 de setembro no site do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Os participantes terão até dois anos para desenvolver seus projetos.

“A empresa vai ter até 24 meses para desenvolver o projeto. Mas, se ela achar que pode fazer em menos tempo, não tem problema. Ela apresenta a proposta com o programa definido Se achar factível fazer em 12 meses, se tem uma boa ideia que traga valor para a gente, para a empresa e que seja factível , pode concorrer sem problema nenhum”, disse  o engenheiro da Petrobras e líder do projeto Ricardo Ramos.

De acordo com Ramos, o resultado da primeira etapa está previsto para sair em meados de outubro. Serão avaliados o impacto da solução proposta para o negócio da Petrobras, a consistência e a viabilidade do projeto, incluindo facilidade de implantação da solução, capacidade técnica da equipe, grau de inovação, nível de maturidade tecnológica e potencial de ganho de escala.

“Foram colocados alguns desafios mais fortes, pois a gente tem uma noção de que há muitas empresas capazes de desenvolver [as soluções], que já têm um certo grau de maturidade, mas ainda não é a solução pronta. Assim como há outros que são até mais desafiadores em termos de maturidade, mas podem estar em uma maturidade mais baixa [para ser resolvidos no espaço de tempo]”, disse Ramos.

Entre os “desafios” estão a criação um pequeno submarino de baixo custo autômato ou controlado remotamente para ajudar em atividades de inspeção submarina, o desenvolvimento de software para aumentar a eficiência de armazenamento da energia produzida a partir de fonte solar ou eólica e até um sistema para gerenciamento de imagens imersivas (fotos e vídeos 360º) e navegação interativa (street view) para auxiliar no processo de planejamento e de intervenções em plataformas.

“A gente tem oportunidade de selecionar tanto projetos que já estão na cara do gol e que precisam só de um desenvolvimento final, quanto aqueles que estão na escala de laboratório e precisam ser levados ainda a uma escala de protótipo. Se ele tiver potencial, também é considerado sucesso para a gente ter um projeto que eleve a maturidade da tecnologia”, afirmou.

Além do recurso financeiro, as startups ou pequenas empresas selecionadas também terão auxílio para superar os desafios dos anos iniciais, como suporte financeiro, interação com o corpo técnico da Petrobras, capacitação empresarial, podendo gerar mais produtos, serviços e modelos de negócios inovadores. No caso de conclusão dos desafios e desenvolvimento de soluções com escala, Ramos disse que o edital traz as especificações sobre o que acontece.

“As regras sobre as propriedades de resultado estão bem definidas no edital. A Petrobras não vai ter nenhum participação no capital social da empresa, não seremos sócios da empresa. A segunda coisa é que o que for desenvolvido ao longo do projeto, se for passível de proteção, vai ser compartilhado, terá uma propriedade intelectual compartilhada na co-titularidade” disse.

A iniciativa, desenvolvida em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sebrae), faz parte do programa Petrobras Conexões para Inovação e foi criada para aproximar a empresa de startups. No total, o programa terá a duração de cinco anos. A previsão é que outros editais sejam lançados futuramente. A previsão total de investimentos é de R$ 60 milhões.

“A gente fez um mapeamento de demandas internas de necessidade de soluções tecnológicas nas áreas de negócios da Petrobras e tivemos mais demandas do que estamos colocando no edital. Isso dá uma perspectiva boa para os empreendedores de que a gente deve ter outro edital após esse primeiro”, disse Ramos.

Direto por Agência Brasil
Fotos: Tânia Rego/ AGB


Jota Jota Nascimento2 de setembro de 2019
Agro-e-Ecoonmia-Botelho.jpg

3min3270

A Assembleia Legislativa vai debater, nos próximos dias, o projeto de lei 590/19 que dispõe sobre a implementação do sistema de identificação individual na casca dos ovos produzidos em Mato Grosso. De autoria do presidente da ALMT, deputado Eduardo Botelho (DEM), objetivo é aumentar a segurança alimentar dos consumidores e foi apresentado em junho deste ano.

Conforme a proposta, a identificação permitirá a rastreabilidade desde a procedência até a venda. Além disso, os ovos com identificação individual estarão aptos para a comercialização por unidade desde que a embalagem e a forma de venda sejam aprovadas previamente pelo serviço de inspeção oficial de Mato Grosso.

No projeto, o parlamentar destaca a produção pujante de Mato Grosso que cresceu 7,6%, ficando 5% acima da média nacional. Isto porque em 2016 produziu 45,1 mil dúzias tornando o estado maior produtor de ovos de galinha da região Centro Oeste, bem como em destaque entre os estados que contribuíram para que a atividade comercial no país tenha alcançado a maior produção nos últimos 30 anos.

Ressalta que o crescimento da produção foi impulsionado por aumentos em 18 estados brasileiros, conforme o IBGE, com destaque para São Paulo que continua sendo o maior produtor de galinha do país, seguido por Goiás, Espírito Santo e Ceará. Em 2018, Mato Grosso produziu mais de 5,41 milhões de dúzias.

“Se aprovada, essa medida garantirá segurança nutricional e de saúde ao consumidor de ovos. O produto deverá sair das granjas com o código informando a data de produção e o registro do Indea (Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso)”, justifica Botelho, ao citar a refrigeração como outro ponto de atenção, já que o ovo tem até 21 dias para ser comercializado em temperatura ambiente, e no máximo 30 dias, se refrigerado.

Sobre o custo para a rastreabilidade, sem onerar o consumidor final, é importante que as associações firmem parcerias junto aos órgãos competentes para auxiliar nas despesas.

Direto da Redação
Fotos: Maurício Barbant