AMAZÔNIA LEGAL

Mauro Mendes defende exploração de terras indígenas

Para o governador de Mato Grosso, o país tem que “botar o dedo na ferida” e mudar a legislação
politica amazonia legal

No Palácio do Planalto, nesta terça-feira (27), os governadores dos nove Estados da Amazônia Legal (Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima,Tocantins, Mato Grosso e Maranhão) foram o foco das atenções no país, na reunião com o presidente Jair Bolsonaro.  O governador de Mato Grosso, Mauro Mendes destacou que como um dos Estados da Amazônia Legal, a grande preocupação é com a guerra da comunicação que, segundo ele, é patrocinada pelos países que concorrem diretamente com o Brasil na produção de alimentos.

Mendes disparou contra o presidente francês, Emmanuel Macron: “O senhor Macron, nosso concorrente, está surfando nas cinzas da Amazônia quando queima mas, na verdade, não está preocupado com o nosso meio ambiente mas, em criar mecanismos, ele e outros países, para criar barreiras verdes ligadas a esta questão de um possível comportamento não adequado do nosso país”, garantiu o governador de Mato Grosso

Considerando que o meio ambiente é o “abre alas para o agronegócio brasileiro” no mercado internacional, Mauro Mendes, reconheceu que os prejuízos ao setor vão afetar o país e gerar dificuldades nas negociações com o mundo. No entanto, o estado tem 43 reservas indígenas e para o governador  é hora de se botar o “dedo na ferida” e explorar as riquezas que estão nessas áreas.

 Para Mauro Mendes é possível explorar parte das reservas indígenas sem afetar o meio ambiente.  “Não queremos terra de índio, queremos as riquezas que lá estão. E para tirar isso, menos de 5% seria afetado. Ninguém neste planeta pode dizer que mudar 5% do ambiente vai comprometer as nossas riquezas ambientais. Se não, que eles paguem por isso. É hora de colocar o dedo na ferida e basta coragem do Congresso Nacional, já que esta proibição foi feita por nós, com a nossas leis”, ressaltou  .

Como justificativa Mendes, deu como exemplo uma casa que tem um quadro na parede que vale milhões mas, os filhos estão passando fome. “É isso que acontece neste país. Nós temos pessoas que morrem de fome, morrem por falta de remédio, estradas precárias, infraestrutura precária e,  ouvindo essas histórias de que tem milhões e bilhões nas reservas indígenas, nas reservas ambientais”, constatou Mendes.

 O governador citou, ainda, outro fato que considera uma disparidade entre o real e o legal. “Em Mato Grosso, a etnia dos Pareci plantou 10 mil hectares de soja. A Funai  autorizou mas, o Ibama aplicou uma multa bilionária, ano passado. Temos que reescrever alguns marcos jurídicos neste país”, propôs Mauro Mendes.

O Estado de Mato Grosso foi um dos únicos que diminuíram o desmatamento no período 2018-2019, com redução de 17%, se comparado ao período 2017-2018.

Uma das propostas de Mauro Mendes é aplicar recursos para não só nas ações de combate às queimadas e ao desmatamento ilegal mas,  também, no aperfeiçoamento da comunicação entre o Brasil e o mundo. “Não vamos ganhar a guerra lá fora se perdermos aqui dentro”, admitiu.

Direto do PNB Oline
Fotos: Governo Federal

Jota Jota Nascimento


Anúncio

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *